segunda-feira, 24 de setembro de 2018   | : :
16_04_2014_18_29_banner_levimagazine.gif

Joaquim Bernardini compartilha um pouco de sua vida em Nhandeara


Joaquim Bernardini compartilha um pouco de sua vida em Nhandeara

Joaquim Bernardini nasceu em 06 de novembro de 1932, na cidade de Neves Paulista. Chegou em Nhandeara aos 2 anos com a família e foi morar na zona rural.

“Quando criança não tive escola, não tinha professor aqui. Meu pai pegou um sítio e vinha aqui na vila pela beira dos córregos. Com 8 anos comecei a trabalhar no sítio com enxada e trabalhei por 25 anos e tirando leite na madrugada”, conta Bernardini.

Aos 18 anos casou-se com Aurora e ficou viúvo dois anos depois, tiveram um filho, Anézio Bernardini.

Em 18 de junho de 1955, casou-se com Izaíra Castilho Bernardini e tiveram três filhos, José Castilho Bernardini, Maria Inês Bernardini Criado e Aparecido Roberto Bernardini. Tem nove netos e cinco bisnetos.

Bernardini trabalhou ainda por quatro na olaria fazendo tijolos, “trouxemos muito tijolos de carro de boi para construção da igreja”.

Passado um tempo mudou-se para a cidade e veio a oportunidade de trabalhar na prefeitura. “Quando o prefeito Antonio Belchior da Silveira ganhou a eleição, me chamou para trabalhar de fiscal, eu disse que não sabia nada, pois não tinha estudo, ele acreditou e disse que eu aprenderia. Reuni um pessoal da roça que sabia trabalhar e trabalhei 13 anos, no meu tempo fiz nove pontes de madeira e duas de cimento, também fazíamos dois mata-burros por dia”, lembra ele que ainda trabalhou durante a administração dos prefeitos Juraci Alves Domingues, Carlos Soubhia e Oédina Ap. Silva Colósio, saiu em 1998 quando se aposentou.

Foi eleito vereador para a 5ª legislatura da Câmara Municipal de Nhandeara, de 1964 a 1969. “Eleito na época com 155 votos, nunca esperava ganhar, mas consegui e o dia que veio a primeira sessão eu falei para o Jurandir, maquinista nosso, como é que eu faço, ele disse presta atenção na chamada dos outros e os projetos que estiver de acordo fique sentado e os que não estava de acordo ficava em pé”.

Na cidade ainda trabalhou com caminhão de gado, comprava, vendia e entregava em frigorífico em São José do Rio Preto.

Viu muito sobre a evolução do município, os avanços, geração de emprego e benfeitorias. “Gosto muito de morar aqui, sempre gostei”, finaliza Bernardini.

Comentar

Compartilhar


Top