quinta-feira, 29 de outubro de 2020   | : :
16_04_2014_18_29_banner_levimagazine.gif

Eleições 2020: Entrevista com o Candidato a Prefeito de Macaubal, Wanderlei Melhado


Eleições 2020: Entrevista com o Candidato a Prefeito de Macaubal, Wanderlei Melhado

Nome na urna: Wanderlei Melhado
Partido: PSDB
Vice e partido: Carlão Miranda (DEM)
Nome da coligação e partidos: Uma parceria que dá resultado! - PSDB / DEM / PTB

Perfil

Nome: Wanderlei Melhado Guizzi
Idade: 52 anos
Nascimento: 30/04/68
Cidade Natal: Macaubal
Estado Civil: casado
Filhos: 3
Grau de Escolaridade: Ensino médio incompleto
Profissão: Lavrador
Cargos políticos e participação em eleições: Vereador no ano de 2017 e 2018, prefeito no ano de 2019
Referência Política: Admiro o trabalho de muitos, mas não idolatro ninguém. O importante é entregar projetos e políticas públicas eficientes.

Como o senhor espera que o processo eleitoral se conduza?

Espero que se conduza da forma mais pacífica possível, respeitando nossos eleitores, nossos cidadãos, tendo consciência que a Pandemia ainda não acabou. Vale ressaltar que sou contra os comícios nessas eleições, pois é uma forma de respeitar o nosso eleitorado evitando as aglomerações.

O que esta pandemia representa para o processo eleitoral?

Como na pergunta anterior, cabe responsabilidade, respeito de cada candidato, pois devemos compreender que estamos vivendo uma política praticamente atípica de todas as outras, onde se visitava os cidadãos em suas casas, cumprimentava com apertos de mão, então que possamos ser realmente responsáveis para que tudo venha dar certo.

Quais as bandeiras que o senhor defende?

Eu prefiro ficar com a bandeira do meu município junto ao povo Macaubalense, que merece dias melhores por toda sua história sofrida. Eu acredito em um novo futuro e um novo amanhecer e, é para isso ao qual estamos lutando; tenho acompanhado de perto todos os setores do município, dentre esses dezessete meses que estou na gestão, procurando solucionar todos os problemas – assim como muitos já foram – e que continuemos assim, focados em fazer um Macaubal melhor.

O que mais falta em sua cidade?

A maior necessidade que nós atravessamos hoje é a falta da Lagoa de Tratamento. Sem ela, não há desenvolvimento no município, é como uma casa sem banheiro, e estamos presos a ela. No último dia 14 de agosto assinamos um convênio avaliado em R$ 1 milhão para iniciarmos as licitações para a lagoa de tratamento e desenvolvermos tudo o que for necessário ao município. A partir disso, muitos outros projetos serão possíveis, novas casas da CDHU, Distrito Industrial, empregos, entre muitos outros que contribuirão para a evolução de Macaubal.

O que a cidade tem de melhor?

Um dos pontos que me chama muita atenção é a própria população. Os macaubalenses são pessoas que arregaçam as mangas e vão para a luta, partem ao trabalho, seja no comércio, na agricultura, como autônomos, como servidores, enfim, temos muito a ganhar, a crescer, e acredito na vitória de Macaubal, trabalhando e vencendo juntos com honestidade, com transparência, com seriedade, é isso que o povo merece.

Caso reeleito, qual projeto não realizado no último mandato você pretende dar encaminhamento assim que assumir posto de prefeito?

Este é um sonho de muitos anos e como prefeito, por também já conhecer a história do município, tenho a percepção que a maior necessidade, realmente, é a própria Lagoa de Tratamento. Após isso, daremos início ao Distrito Industrial, casas populares, revitalização da área de lazer, pistas de caminhada, afinal a Lagoa é uma grande “trava” para desenvolvermos em outras áreas.

Caso eleito, como pretende prosseguir para lutar contra problemas ambientais e preconceito na cidade?

Em pleno século XXI, uma cidade que não tem uma Lagoa de Tratamento, é um grande problema e que iremos resolvê-lo, temos que incentivar e valorizar as famílias que realizam e vivem da coleta seletiva de lixo, cativar a população, principalmente as crianças, em realizar o plantio de mudas de árvores e quem ganhará com isso são os próprios moradores de Macaubal, requer tempo e confiança em nosso trabalho. Quanto a questão do preconceito, ela é muito tranquila de ser respondida, não temos aqui no município grandes atos de intolerância e, quero parabenizar o próprio povo, pois essa ‘doença’ aqui não chegou e nem chegará.

Como se posiciona aos casos de corrupção recorrentes em nosso país?

Ao meu ver, não há dinheiro público, mas dinheiro do pagador de impostos, consequência do suor de trabalhadores que conseguiram através de muito suor. Então, os governantes deveriam analisar com maior cuidado e responsabilidade esse quesito, pois quando forem aplicar esse dinheiro, apliquem de forma transparente e sem enganações, afinal cada centavo desse faz parte da prateleira de cada cidadão.

Comentar

Compartilhar


Top